Archive 2005-2010

Donadoni comissário técnico: milanistas orgulhosos


Primeiros dias de junho, Workshop rossonero em Villasimius. A premiação do torneio Milan Golf Tour e Adriano Galliani chama sorridente ao palco Roberto Donadoni. Foi o último contato entre o ambiente rossonero, ao qual sempre esteve ligado, e o novo comissário técnico da Nazionale Azzurra Campeã do Mundo de futebol. Uma bela notícia, também para as cores rossoneras. Roby, buscado fortemente pelo Milan no verão de 1986 por Silvio Berlusconi, venceu muito com o Milan: 6 scudetti, 3 Copas dos Campeões, 2 Intercontinentais e várias Supercopas. Venceu pouco menos que Maldini e Costacurta, mas isto não retira nada do prestígio da sua militância rossonera. Grande amigo de Carlo Ancelotti, teve tempo e modo de fazer-se apreciar como treinador depois de ter deixado a camisa do Milan em 1999. O Lecco, o Genoa e o Livorno, algumas das suas performances como técnico. Mas agora, a Seleção Azzurra. De Berlim ao homem de Cisano Bergamasco, passando através da escolha do técnico Marcello Lippi. Como jogador Donadoni maturou uma experiência internacional de primeira grandeza, jogando nas copas européias praticamente a cada temporada no Milan e fechando a carreira com algumas passagens em outros continentes, entre os quais Estados Unidos e Emirados Árabes. Para não falar dos Mundiais de 1990 e 1994 quando o campeão bergamasco havia chegado perto da façanha mundial, justamente com a camisa azzurra. Roberto Donadoni, a educação e a qualidade próprias da era Berlusconi. Há pouco mais de um mês atrás, durante o Workshop do Tanka Village, falava-se da Juventus para ele. Mas as palavras foram superadas, uma após a outra, pelos eventos, todos importantes, desta temporada de verão. Na Azzurra o novo técnico encontrará Rino Gattuso. No Milan eles apenas se cruzaram rapidamente: o campeão calabrês chegou ao clube rossonero dois meses após o último scudetto vencido por Donadoni. Em breve se reencontrarão, e serão momentos decisivos. A França e a Ucrânia querem a revanche, tocará à Itália de Donadoni responder aos desafios.

CONTINUA...

DNA MILAN